Logotipo da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro Logotipo do Facebook Logotipo do Twitter Logotipo do Instagram Logotipo do YouTube

PCERJ em Ação

Megaoperação da Polícia Civil tira de circulação 13 pessoas e apreende armas e drogas durante operação no Jacarezinho

Fotos: Google Street View

ASCOM - Assessoria de Comunicação
30/01/2018 19h36 - Atualizado em 30/01/2018 19h36

Ao todo, mais de 70 pessoas já foram presas em três operações na comunidade

Treze pessoas foram detidas, sendo 10 maiores e três adolescentes infratores durante operação desencadeada, na manhã desta terça-feira, na favela do Jacarezinho, por cerca de 300 agentes de várias delegacias distritais e especializadas. Na ação, os agentes apreenderam três pistolas e material entorpecente. Mais de 70 pessoas já foram presas nas últimas três operações realizadas pela Polícia Civil naquela comunidade.

A ação visava cumprir mandados de prisão contra envolvidos em crimes de tráfico de drogas e homicídios e prender os responsáveis pela morte do delegado Fábio Monteiro e do policial Bruno Guimarães Buhler.

Durante a operação, três criminosos foram baleados após confronto com os policiais. Eles foram socorridos e encaminhados ao hospital, mas não resistiram aos ferimentos e faleceram. Três pistolas e material entorpecente foram apreendidos. Agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) deram apoio à operação.

Ewerton da Silva Barbosa, Igor Gomes e Marcos Duarte de Souza foram presos em flagrante pelo crime de roubo. Anderson Luís da Silva foi preso em flagrante por tráfico de drogas. Os agentes capturaram Fabrício Rogério da Silva e Wendel Lopes da Silva em cumprimento a mandado de prisão. Elvis Souza Carneiro foi preso por associação ao tráfico de drogas. E, ainda foram preso, Cleyton Santos de Souza, Fabiano Alves de Lima e Vanessa Gomes da Silva.

Na quinta-feira da semana passada (25/01), equipes de várias delegacias especializadas realizaram, naquela comunidade, uma operação que resultou na prisão de 16 pessoas e na apreensão de dois adolescentes infratores.

Um dos presos foi Wellington de Souza Macedo, conhecido como Caolha, chefe do tráfico da favela e um dos envolvidos na morte do policial da Core Bruno Guimarães Buhler, o Xingu, crime ocorrido em agosto do ano passado. O traficante estava escondido dentro de uma casa, na localidade conhecida como Beco da Zélia.

No dia 18 de janeiro foi desencadeada, na comunidade, uma operação da Polícia Civil em conjunto com as Forças Armadas. Na ocasião, 39 pessoas foram presas acusadas de envolvimento em vários crimes praticados na região.