Logotipo da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro Logotipo do Facebook Logotipo do Twitter Logotipo do Instagram Logotipo do YouTube

PCERJ em Ação

Ação conjunta da SEPOL e MP desarticula quadrilha que aplicou golpe de 189 milhões contra aposentados e pensionistas

Fotos: Divulgação

ASCOM - Assessoria de Comunicação
27/06/2019 13h23 - Atualizado em 27/06/2019 13h23

Dezesseis pessoas já foram presas e R$ 293 mil apreendidos durante uma operação, desencadeada, na manhã desta quinta-feira (27/06), por policiais civis e agentes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro - MP-RJ. A ação acontece no Rio de Janeiro, em São Paulo, no Espírito Santo e na Bahia, e visa cumprir mandados de prisão e busca e apreensão contra 33 integrantes de uma quadrilha acusada de praticar golpes em aposentados e pensionistas.

As investigações tiveram início, em 2014, com base em inquérito policial instaurado na 1ª DP (Praça Mauá), a partir de trabalho investigativo realizado pelo Laboratório de Tecnologia Contra Lavagem de Dinheiro da Polícia Civil (LAB-LD), que identificou uma movimentação financeira de 189 milhões de reais. O IP foi concluído e encaminhado pela autoridade policial ao Ministério Público, em 2017.

Até o momento, a operação resultou na prisão de 14 pessoas, em São Paulo, uma no Rio de Janeiro, e outra na Bahia.

De acordo com o Coaf, o grupo movimentou cerca de R$ 190 milhões em ações consideradas atípicas e suspeitas. De acordo com as investigações, os criminosos ofereciam a falsa promessa de revisão judicial de benefícios junto à Previdência Social e o pagamento de benefícios atrasados. As vítimas eram quase todas idosos.

Segundo os investigadores, a suposta revisão era uma desculpa para que eles se filiassem a entidades e pagassem anuidades a elas. Como argumento, os golpistas afirmavam que o caso era “causa ganha” com base em uma suposta decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que os beneficiaria. As ações nunca eram ajuizadas e, quando isso acontecia, eram extintas rapidamente, sem o julgamento do mérito pela Justiça.

Entre os anos de 2014 e 2019, constatou-se a existência de 226 ações, entre execuções de títulos extrajudiciais e ações de cobrança, visando ao recebimento ilegal das anuidades. Centenas de inquéritos foram instaurados, tanto por iniciativa dos lesados, quanto pelas requisições dos Juízos Cíveis, quer nas delegacias distritais do centro do Rio de Janeiro, quanto na Delegacia Especial de Atendimento à Pessoa da Terceira Idade (DEAPTI), que foram e são ainda investigados individualmente.

Os denunciados também são acusados por crimes de lavagem de dinheiro. Além das condenações pelos crimes apontados, a denúncia do MP-RJ requer ainda a reparação dos prejuízos sofridos pelos idosos.