Logotipo da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro Logotipo do Facebook Logotipo do Twitter Logotipo do Instagram Logotipo do YouTube

PCERJ em Ação

Sepol realiza operação em empresas utilizadas para lavagem de dinheiro da milícia

Fotos: Divulgação

ASCOM - Assessoria de Comunicação
03/07/2019 08h52 - Atualizado em 03/07/2019 11h39

A Secretaria de Estado de Polícia Civil, por meio do Departamento Geral de Combate à Corrupção ao Crime Organizado e a Lavagem de Dinheiro (DGCOR-LD) realizou na manhã desta quarta-feira (03/07), uma operação para cumprir sete mandados de prisão e dez de busca e apreensão, além do sequestro de bens e bloqueio de contas de quatro empresas utilizadas para lavagem de dinheiro de uma organização criminosa de milícia. As empresas de incorporação atuam na exploração de areia e saibro, na Baixada Fluminense, e chegaram a faturar R$ 41 milhões entre os anos de 2012 e 2017. Seis pessoas foram presas e uma está foragida. Foram apreendidos jóias, carros (incluindo blindados), imóveis e terrenos.

De acordo com o Departamento foram investigadas as empresas Macla Comércio e Extração de Saibro, Hessel Locações e Incorporações, Senna Terraplanagem e Jardim das Acácias Mineração pelos crimes de organização criminosa e lavagem de capitais. A apuração apontou que a empresa Macla é de propriedade de Luís Antônio da Silva Braga, o Zinho, irmão do chefe da milícia de Santa Cruz e Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, Wellington da Silva Braga, o Ecko. Já a a Hessel fez movimentações de valores da Macla para a conta de Zinho. A Senna é de propriedade do pai da ex-esposa de Zinho.

Ainda segundo a investigação, o grupo atuava na exploração de areais na Baixada Fluminense e estariam ligados a homicídios praticados com o objetivo de tomar companhias concorrentes. O DGCOR analisa também como uma empresa teve seus negócios assumidos pela Macla após um assassinato.

A Castilho Alves, empresa de terraplanagem e extração de saibro, teve seu proprietário Alexsander de Castro Santos, assassinado em junho de 2014 pelo chefe da milícia Liga da Justiça, Marcus José de Lima Gomes, o Gão. A conclusão foi da Delegacia de Homicídios da Capital. Na investigação, a polícia conseguiu o bloqueio e sequestro de aproximadamente 11 milhões de reais.