Logotipo da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro Logotipo do Governo do Estado do Rio de Janeiro Logotipo do Facebook Logotipo do Twitter Logotipo do Instagram Logotipo do YouTube Logotipo do WhatsApp Logotipo do Telegram

PCERJ em Ação

Operação Karatê S/A: Polícia Civil cumpre mandados judiciais na Cidade de Deus

Fotos: Divulgação

ASCOM - Assessoria de Comunicação
01/07/2022 08h51 - Atualizado em 01/07/2022 19h28

A Polícia Civil deflagrou, nesta sexta-feira (1º/07), a Operação Karatê S/A, que tinha como objetivo cumprir 33 mandados judiciais contra a organização criminosa responsável pela lavagem de dinheiro da maior facção de tráfico de drogas do Rio de Janeiro. A ação aconteceu na Cidade de Deus, em Jacarepaguá, na Zona Oeste, e teve como alvo o núcleo relacionado ao homem que seria o chefe da localidade Karatê, que está preso.

Foram seis (6) mandados de prisão, 25 de busca e apreensão e duas (2) determinações de sequestro de imóveis, bem como a apreensão de veículos e valores avaliados em cerca de R$ 3 milhões, incluindo uma casa em condomínio fechado de alto padrão na Zona Oeste. Três (3) pessoas foram presas, sendo duas ao longo da semana e uma na operação desta sexta.

Os investigadores identificaram pessoas responsáveis pelo recebimento e lavagem de dinheiro do grupo criminoso, incluindo familiares, depósitos em espécie, transferências, sociedade em empresas de exploração de serviços de internet e aquisições imobiliárias de alto valor. As investigações duraram cerca de dois anos.

A quadrilha que domina a localidade atua diretamente nos roubos a veículos, pedestres, estabelecimentos comerciais e como quadrilhas de “saidinhas de banco” e extorsões mediante sequestro. A região do Karatê é uma das mais violentas contra as forças policiais, com diversas mortes de agentes e ataques a helicópteros.

A operação de hoje foi coordenada pelo Departamento-Geral de Combate ao Crime Organizado e à Lavagem de Dinheiro (DGCOR-LD), com apoio do Departamento-Geral de Polícia Especializada (DGPE), da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) e da Delegacia de Defesa de Serviços Delegados (DDSD).

As investigações seguem em sigilo para apurar outras condutas criminosas conexas e demais autores.