Logotipo da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro Logotipo do Facebook Logotipo do Twitter Logotipo do Instagram Logotipo do YouTube

PCERJ em Ação

DHBF realiza operação para prender integrantes de milícia de Nova Iguaçu

Fotos: Divulgação

ASCOM - Assessoria de Comunicação
08/09/2020 13h15 - Atualizado em 08/09/2020 13h15

A Secretaria de Estado de Polícia Civil (Sepol), por meio da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), em ação conjunta com a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (DRACO) e a Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM), realizou nesta terça-feira (08/09), uma operação para cumprir sete mandados de prisão e 43 de busca e apreensão contra integrantes de uma organização criminosa que atua em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Três pessoas foram presas e armas e celulares apreendidos.

De acordo com o delegado, Moysés Santana, titular da DHBF, as investigações iniciaram em novembro de 2019 para apurar o homicídio de uma vítima carbonizada em Nova Iguaçu. No decorrer das investigações, foi verificado que os envolvidos no crime integravam uma organização criminosa e tinham como objetivo obter vantagem indevida, mediante a prática de homicídios, roubos, extorsões, associação para o tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo. Eles tinham como principais atividades a exploração de sinal clandestino de TV e Internet.

Ainda segundo o delegado, um dos criminosos, apontado como líder da quadrilha, tem envolvimento com a milícia e o tráfico de drogas. A apuração apontou que ele é ligado ao miliciano Wellington da Silva Braga, o "Ecko", aos milicianos que atuam em Jacarepaguá, e ao traficante Edgar Alves de Andrade, o "Doca", chefe de uma facção que atua no estado.

As investigações apontam que o criminoso também tinha informações sobre pessoas que eventualmente teriam recebido altas quantias em dinheiro e planejava o roubo. Uma senhora que recebeu R$150 mil de um seguro de vida, era um dos alvos da quadrilha.