Logotipo da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro Logotipo do Facebook Logotipo do Twitter Logotipo do Instagram Logotipo do YouTube

PCERJ em Ação

Polícia Civil realiza Operação Itália contra organização criminosa que atua em Belford Roxo

Fotos: Divulgação

ASCOM - Assessoria de Comunicação
29/10/2020 07h55 - Atualizado em 29/10/2020 7h55

Policiais Civis da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) realizam operação na manhã desta quinta-feira (29/10) contra uma organização criminosa para o tráfico de drogas que atua no Complexo do Roseiral, em Belford Roxo. O objetivo é cumprir 10 mandados de prisão preventiva e 61 mandados de busca e apreensão. Um candidato a vereador foi preso. A operação ocorre em parceria com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Rio de Janeiro.

A ação é consequência de um inquérito em que, ao todo, 24 pessoas foram indiciadas e denunciadas pelos crimes de associação para o tráfico de drogas e constituição de milícia privada. De acordo com as investigações, esta organização criminosa, além de controlar o tráfico de drogas, também passou a desempenhar atividades típicas de milícia, como extorsão de comerciantes, monopolização da venda de cestas básicas, água e gás, cobrança de taxa a motoristas de vans para que pudessem circular livremente pela localidade e, principalmente, exploração dos moradores de conjuntos habitacionais, mediante a indicação dos síndicos dos condomínios e a cobrança de taxas aos moradores. Caso eles não pagassem, tinham o fornecimentos de água suspenso e poderiam até ser expulsos de suas propriedades.

Por meio de interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça, foi possível identificar o modo de atuação do grupo, que incluía a prática de extorsões e ameaças, além de desvendar a hierarquia de funcionamento da organização, com a identificação das funções exercidas por cada um dos participantes.

Segundo a DHC, o chefe do tráfico no Roseiral está preso e, mesmo assim, continua comandando a associação criminosa. Seu imediato foi preso em março deste ano, tendo contra ele 18 mandados de prisão, sendo alguns por homicídios de dois policiais militares e um bombeiro.

Após esta segunda prisão, o líder do grupo resolveu mudar a administração do tráfico de drogas e dos condomínios, colocando o próprio irmão na liderança da associação criminosa. Ele atua como pastor evangélico e é candidato a vereador no município de Belford Roxo.

Denúncias indicam que ele usa toda a estrutura da associação criminosa para angariar votos, além de ameaçar e oprimir outros candidatos de fazerem campanha na região. Segundo as investigações, o plano de eleger o candidato é uma estratégia do líder do grupo para garantir maior penetração e influência nas instituições públicas.