Logotipo da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro Logotipo do Facebook Logotipo do Twitter Logotipo do Instagram Logotipo do YouTube

PCERJ em Ação

Policiais da Delegacia da Paraíba do Sul e PMs realizam operação e prendem dois homens acusados de agredirem e roubarem taxistas

Fotos: Divulgação

ASCOM - Assessoria de Comunicação
10/08/2018 19h09 - Atualizado em 10/08/2018 19h09

Agentes da 107ª DP (Paraíba do Sul) realizaram uma ação na quinta e na sexta-feira (09 e 10/08) batizada de “Operação Bandeira Dois”, com apoio da Polícia Militar (38º BPM).

A ação, que contou com apoio do Ministério Público e do Poder Judiciário, alcançou êxito em seu objetivo de por fim a uma série de ataques a taxistas no município. Através do trabalho operacional e investigativo, três recentes crimes contra taxistas foram elucidados e os dois responsáveis foram presos.

Na noite da última quarta-feira (08/08), dois jovens passageiros embarcaram em um táxi no centro de Paraíba de Paraíba do Sul e, no meio do trajeto da corrida, agrediram violentamente o taxista com golpes de martelo, fugindo em seguida levando a quantia de R$ 200.

O caso foi idêntico a outro crime ocorrido em Paraíba do Sul dois dias antes, na noite de segunda-feira (06/08), quando dois jovens embarcaram em um táxi em Paraíba do Sul e, próximos ao fim do percurso, deram uma “gravata” e uma martelada no motorista, fugindo logo após com dois celulares e a quantia de cento e trinta reais. Essas vítimas foram socorridas e não correm risco de morte.

Um terceiro episódio envolvendo ataques a taxistas havia ocorrido cerca de duas semanas antes, quando jovens desembarcaram de um táxi no final do percurso solicitado e um deles intimidou o motorista, insinuando estar armado, porém nesta ocasião o motorista acelerou o táxi e fugiu antes de sofrer qualquer tipo de agressão.

Através do empenho das equipes destacadas foi possível identificar os dois autores dos crimes: Junior José da Silva, de 23 anos, e Gabriel Gomes da Conceição, de 21 anos. Na casa de um dos investigados os agentes apreenderam uma roupa usada no último assalto, que ainda estava suja de sangue.

Após a autoridade policial representar por suas prisões, os respectivos mandados foram celeremente expedidos pela Justiça, e os citados indivíduos foram presos, ficando à disposição da Justiça para serem julgados por seus crimes.