Logotipo da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro Logotipo do Facebook Logotipo do Twitter Logotipo do Instagram Logotipo do YouTube

PCERJ em Ação

Quadrilha de traficantes de armas e drogas é desarticulada por policiais da DCOD com apoio de agentes do Gaeco e da polícia do ES

Fotos: Paulo Toscano

ASCOM - Assessoria de Comunicação
04/12/2018 16h38 - Atualizado em 04/12/2018 16h38

Policiais da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD), com apoio do Gaeco-MPRJ e do Núcleo de Repressão às Organizações Criminosas e à Corrupção do Espírito Santo (Nuroc), desarticularam, na terça-feira (04/12), uma organização criminosa de traficantes de armas e drogas que atuava no município de Macaé, na comunidade das Malvinas, no Norte Fluminense, com ramificações em várias cidades do Estado do Espírito Santo.

Durante as investigações a Polícia comprovou que os criminosos comercializavam drogas e armas entre diversas comunidades, algumas inclusive situadas em outros estados da federação. Na operação, chamada de “Falkland”, também foi possível identificar e individualizar condutas dos suspeitos e desarticular um complexo esquema de fornecimento de armas e drogas para favelas de Macaé e do Rio de Janeiro.

Foram indiciados o chefe do tráfico da facção Luís Carlos Moraes de Souza, conhecido como “Monstro”, Hugo Almeida dos Santos, o “Firma do Baixinho”, Renato Alves Soares, conhecido como “Rei” ou “Dutra”, Pablo Alves Vieira Silva, o “Piloto”, Jairo Barroso de Oliveira e Wagner Paulo Rodrigues da Rocha, conhecido como “Waguinho”, todos fornecedores de armas que eram trazidas do Paraguai diretamente para os traficantes de drogas.

A investigação evidenciou que o tráfico de drogas e de armas não se limita a uma comunidade, ou mesmo a um município, havendo um intenso e ousado intercâmbio entre organizações criminosas de distintas regiões do País.

Jairo Barroso de Oliveira e Renato Alves Soares foram capturados no Espírito Santo. Também foram cumpridos mandados de prisão contra Luís Carlos Moraes de Souza, Alcione Silveira de Souza e Messias Gomes Teixeira, atualmente sob custódia.